Demografia

Cidades mais populosas do Rio de Janeiro

(Estimativa 2011 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)

Posição Cidade Pop. Posição Cidade Pop.
1 Rio de Janeiro 6 355 949 11 Magé 228 972
2 São Gonçalo 1 008 064 12 Itaboraí 220 351
3 Duque de Caxias 861 157 13 Macaé 212 433
4 Nova Iguaçu 799 047 14 Cabo Frio 190 786
5 Niterói 489 720 15 Nova Friburgo 182 747
6 Belford Roxo 472 008 16 Barra Mansa 178 355
7 Campos dos Goytacazes 468 086 17 Angra dos Reis 173 369
8 São João de Meriti 459 379 18 Mesquita 168 966
9 Petrópolis 296 565 19 Teresópolis 165 716
10 Volta Redonda 259 011 20 Nilópolis 157 710

Etnias

Catedral em Petrópolis, na Serra Fluminense, região com forte influência germânica.

O estado do Rio de Janeiro é formado por enorme gama de etnias e povos, principalmente pelo fato de sua capital ter sido capital do estado brasileiro.

Inicialmente a população do estado do Rio de Janeiro foi marcada pela presença de povos indígenas, assim como toda a costa brasileira.

No início do século XVI, habitavam o Rio de Janeiro quatro grandes grupos indígenas, classificados de acordo com seu grupo linguístico:

  • Tupis-guaranis: habitavam o litoral e constituíam diversas tribos como os Tupinambás ou tamoios e os Tupiniquins.
  • Puri-coroado, maxakali e botocudo, da língua macro-jê. Habitavam o interior, sobretudo a bacia hidrográfica do Rio Paraíba do Sul.
  • Os goitacases, que habitavam a foz do rio Paraíba do Sul.
  • As tribos guaianás ou Goianás que viviam no litoral sul, entre Angra dos Reis e Paraty, e na Ilha Grande. Seu tronco linguístico não foi classificado.

Com a colonização, as tribos indígenas foram extintas. Em 30 de maio de 1902, na paróquia de Santo Antônio de Pádua, no município de mesmo nome, foi registrado o último óbito de índio natural do estado do Rio de Janeiro: Joaquina Maria Pury.

Em fins da década de 1940, guaranis migraram para a região de Angra e Paraty. Eles só vieram a ser descobertos pelo governo federal em 1974 com a construção da Rodovia Rio-Santos. Atualmente, os quinhentos guaranis do estado vivem em três aldeias: Sapukaí, Itatiim e Araponga.

No século XVI, desembarcam na região os franceses, que na Baía da Guanabara instalam uma colônia de refugiados religiosos. Logo em seguida os portugueses invadem a região, e na guerra com os franceses, saem vitoriosos, sendo fundada a Cidade do Rio de Janeiro pelo português Estácio de Sá.

Nos séculos seguintes, a população da região é formada basicamente por portugueses e africanos, trazidos à força pelos portugueses na condição de escravos. Até meados do século XIX, a maioria da população fluminense era composta por negros, porém, o número de imigrantes portugueses desembarcados na cidade do Rio passou a crescer repentinamente naquele século, o que fez com que praticamente se igualasse o número de pessoas de origem africana e as de origem portuguesa.

Posteriormente, outros povos contribuíram para a formação da população do estado, como alemães, italianos, suíços, espanhóis, dentre outros, aos quais se somaram os brasileiros de todos os estados, atraídos pela capital do País até a década de 1960, a cidade do Rio de Janeiro.

Os primeiros imigrantes não-portugueses a chegar à região foram os suíços, em 1818, fundando na região das serras a cidade de Nova Friburgo. Pouco mais tarde, começariam a chegar os alemães, que também rumaram para as serras, principalmente para a região de Petrópolis. Italianos eespanhóis chegariam mais tarde, contribuindo também para a diversidade étnica do Rio de Janeiro.

Cor/Raça Porcentagem
Brancos 54,5%
Pretos 12,6%
Pardos 32,4%
Amarelos e Indígenas 0,4%
Fonte: PNAD (dados obtidos por meio de pesquisa de
autodeclaração).

 

One Response to “Demografia”

  • amilcar

    Realmente uma revista em que a credibilidade e o serviço a população esta aliada a bom gosto e credibilidade.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>